fbpx

Coronavírus: quais são os sintomas e tratamento?

O coronavírus não é um vírus novo. Ele na verdade já é conhecido do meio médico por causar diferentes resfriados. Contudo, estamos diante de uma nova versão vinda da China em 2019 que causou a pandemia da COVID-19. Entenda mais sobre este novo coronavírus a seguir.

Entenda um pouco mais sobre o novo coronavírus

A COVID-19 é uma doença causada por um vírus, o novo coronavírus. Esse “novo” foi incluído porque já conhecemos o coronavírus de outros momentos. Inclusive já tivemos problemas com um tipo, o Sars-COVID-19, o responsável por nossa vacinação anual da gripe.

Contudo, este é realmente um novo coronavírus. Não é impossível de ser combatido, mas é perigoso por sua contaminação rápida. Ele se propaga pelo ar e é resistente em superfícies, podendo então, contaminar pessoas por respirar sem máscara ou tocando objetos e levando aos olhos, nariz e boca.

Por enquanto temos como profilaxia o isolamento social, evitar cumprimentar com toques, usar a máscara e lavar mãos e rosto. O uso de álcool 70% para desinfecção de superfícies e das mãos tem se mostrado eficiente também.

Os sintomas do novo coronavírus de casos leves

Os infectados com o novo coronavírus são divididos em dois tipos: sintomáticos e assintomáticos. Há aqueles que não desenvolvem sintomas, os assintomáticos. Neste caso eles podem transmitir a doença mas não sentem nada. Apesar disso, eles precisam, da mesma forma, ficar em quarentena.

Já os sintomáticos são aqueles que desenvolvem a doença de forma clara, podendo receber um diagnóstico mesmo sem exame. Ou seja, estão visivelmente com a doença. Neste caso eles podem sentir nos quadros mais simples:

  • Indisposição
  • dores no corpo;
  • febre;
  • Tosse seca;
  • Congestão nasal;
  • Espirros; 
  • Coriza;
  • Perda do apetite;
  • dores em todo o corpo.

Todos os sintomas acima são de uma gripe comum, por isso um exame é solicitado em emergências hospitalares. Contudo, ter contato com uma pessoa com os sintomas já é um forte indicador de que está diante dos sintomas da COVID-19.

Sintomas do novo coronavírus mais graves

Quando o quadro do paciente com a COVID-19 se agrava é comum que os sintomas mudem. Nestes casos o paciente pode sentir:

  • Enxaqueca;
  • Perda de olfato;
  • Perda de paladar;
  • Dores de cabeça intensas;
  • Confusão mental;
  • Dificuldade de respirar.

A dificuldade de respirar é o sintoma mais grave da COVID-19. Ele é também o principal motivo de internação de pacientes. Com a oxigenação baixa, não conseguem respirar e precisam ser entubados. Inclusive, podem passar de alguns dias na intubação até meses nos casos mais graves.

Quando ir ao hospital com o novo coronavírus?

A indicação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é que os pacientes infectados com o novo coronavírus procurem um hospital apenas com sintomas intensos. Se são leves e suportáveis, é preciso aderir à quarentena em casa. Ou seja: isolamento social por 15 dias. Repouso, alimentação balanceada e muito líquido devem fazer parte da profilaxia.

A ida ao hospital deve acontecer quando os sintomas estão dignos de uma ajuda médica. Com falta de ar o indicado é ir à unidade de internação médica mais próxima porque há uma grande chance de necessidade do uso de um respirador. Isso deve ser feito de pronto, quando o paciente sentir uma resistência na entrada do ar ou não conseguir respirar normalmente.

Endometriose: qual é a hora certa para procurar um médico?

A cólica é um dos sintomas mais comuns da TPM (tensão pré menstrual). Entretanto, ela deve ser suportável e permitir uma rotina diária. Porém, quando surge forte demais é possível que a mulher esteja com endometriose, uma das doenças do sistema reprodutor feminino mais comuns. Saiba mais a seguir.

Entenda o que é endometriose

O útero possui o formato de uma pera e é revestido por uma mucosa conhecida como endométrio. Esta mucosa recebe o útero quando há a gravidez para o desenvolvimento do feto. Mas quando a gravidez não acontece é eliminada a cada 21 dias na menstruação. 

Contudo, esse descarte deve ir para a vagina diretamente, mas nem sempre isso acontece. A mucosa é descartada sempre, mas ela pode se deslocar em sentido contrário. Nos casos negativos ela vai para a cavidade abdominal ou para os ovários. É aí que surge a endometriose. 

A endometriose é o acúmulo do endométrio em locais inapropriados do corpo e a dor surge exatamente por este acúmulo estar em locais inadequados.

Quando se deve ir ao médico?

O principal sintoma da endometriose é a cólica. No entanto, ela é diferente das cólicas normais, pois é mais forte, fazendo com que muitas mulheres não consigam seguir com a sua rotina diária. Muitas, inclusive, não conseguem trabalhar e necessitam de uma medicação. 

A indicação dos médicos é marcar uma consulta, caso haja uma cólica forte e intensa. E se houver uma mudança no comportamento da menstruação, é ainda mais urgente marcar a consulta, porque alguma coisa não está normal. 

Outros sintomas cabíveis de uma consulta ao médico são:

  • Dores durante relações sexuais;
  • Alterações urinárias – dores ao urinar, ardência ou dificuldades;
  • Alterações intestinais – diarreia, prisão de ventre ou dores abdominais;
  • Dificuldades de engravidar.

Os exames de rotina ajudam a prevenir a endometriose

A indicação dos médicos é uma consulta anual com um ginecologista, para mulheres de todas as idades. Isso deve iniciar após o início da vida sexual, ou seja, quando a mulher se tornar sexualmente ativa. E mesmo estando em abstinência é preciso procurar um médico. 

As consultas de rotina ao ginecologista incluem vários exames. O papanicolau, por exemplo, é um deles. Na endovaginal, também é possível ver traços de uma endometriose, caso ela exista. 

No entanto, há exames específicos, que o médico pode solicitar. Como a ressonância magnética, por exemplo, capaz de perceber rápido a presença da endometriose, tendo em vista a ótima  qualidade da imagem. 

Já a  videolaparoscopia pode ser indicada para quem apresenta um grupo de sintomas, cuja causa não fora encontrada. .

Mulheres do grupo de risco devem se consultar sempre

Estudos indicam a presença de alguns fatores de riscos, responsáveis por aumentar as chances do surgimento da endometriose. São eles:

  • Mães com endometriose;
  • Imunidade baixa;
  • Estresse.

Os períodos de maior ansiedade, são responsáveis por um aumento significativo da endometriose em mulheres entre 30 e 40 anos. 

Tratamento para a endometriose

Após o diagnóstico por um profissional da área de saúde, é preciso iniciar o tratamento. Há dois tipos de tratamento: clínico ou cirúrgico. 

O tratamento clínico envolve medicamentos e acompanhamento médico. Infelizmente nem todas as mulheres respondem positivamente a ele. 

Já o tratamento cirúrgico, depende do grau de endometriose da paciente. A ‘exploração’ cirúrgica consiste em remover os focos da mucosa, alojados em diferentes partes do corpo, para acabar com as inflamações.

Como saber se você sofre de ansiedade?

Se alguém marca um encontro com você há um nervosismo para encontrar a roupa certa. As horas parecem não passar e há um medo de tudo dar errado. Se este quadro é comum em diversas situações do seu dia a dia, talvez você sofra de ansiedade. Saiba mais sobre ela a seguir!

Entendendo o que é ansiedade

A ansiedade é uma reação natural do nosso organismo em determinadas situações as quais geramos alguma expectativa, seja ela positiva ou negativa. Alguns especialistas definem a ansiedade ainda como uma emoção do nosso corpo, normal e esperada.

Podemos sentir ansiedade diante de diversas situações, as quais podem ser agradáveis ou nem tanto. É comum, por exemplo, sentir-se ansioso antes do primeiro encontro com o paquera. Ou quando se sabe ainda, que o namorado quer fazer o pedido de noivado. São situações estressantes de alguma forma, para a saúde mental, que deixam a pessoa ansiosa.

É possível uma mesma pessoa sentir ansiedade de diferentes formas. Ela pode ser positiva ou negativa, dependendo da situação. Pode ser sintoma de um medo, de um pavor, por exemplo. É uma forma, portanto, do corpo se proteger de algo o qual teme bastante.

Contudo, quando os sentimentos relacionados à ansiedade se tornam excessivos, obsessivos e interferirem na vida cotidiana, há motivo de preocupação. Pois significa que a saúde mental da pessoa está comprometida.

Será que eu sou ansioso? – Sintomas da ansiedade

Para saber se você sofre de ansiedade não é preciso muito esforço, mas a doença deve ser diagnosticada por um profissional. No entanto, se você quiser ter uma breve noção, basta realizar uma auto análise diante de algumas situações do seu cotidiano. Alguns dos sintomas da ansiedade clássicos são:

 

  • Sudorese excessiva em partes específicas do corpo; 
  • Mãos frias;
  • Aceleração dos batimentos cardíacos;
  • Falta de ar;
  • Insônia;
  • Mãos trêmulas;
  • Dores de cabeça;
  • Tensões nos músculos.

Esses sintomas podem ser comuns diante de uma situação de estresse, seja ela positiva ou negativa. Você pode sentir apenas algum ou outro sintoma, ou então, todos os citados acima. 

Sintomas graves de ansiedade

Em alguns casos os sintomas de ansiedade não são amenos. Inclusive, são tão fortes que assustam, mas ainda são considerados normais dada a frequência que acontecem. São eles:

  • Vômitos;
  • Calafrios;
  • Insônia durante dias;
  • Desmaios;
  • Sensação de sufocamento;
  • Dores no peito.

Neste caso o sistema nervoso está em alerta máximo. É comum encontrar pacientes em uma sala de emergência com tais sintomas mas nenhuma causa clínica física. Em outras palavras, sem uma doença aparente.

Quando a ansiedade pode ser um problema?

Sentir-se ansioso é comum e aguardado. Como seres humanos, sofremos um turbilhão de sensações, nem sempre as melhores e nem sempre as piores. É comum sentir medo, desejar muito uma coisa a ponto de alterar o seu estado mental e físico.

Porém, temos um problema quando a ansiedade é uma barreira para a execução de algumas atividades. Se ao aguardar um jantar você fica tão ansioso que não consegue comer ou trabalhar, está diante de um problema. Neste caso pode ser necessário procurar ajuda médica. Seria interessante, portanto, procurar um psicólogo ou psiquiatra para conversar sobre o assunto.