fbpx

Como marcar consulta online? Veja o passo a passo!

Se tem uma coisa que não dá para negar é que a tecnologia tem mudado nossa forma de pensar e agir, até mesmo em relação a marcar consulta online.

Atualmente vivemos na época da agilidade onde praticamente tudo é feito remotamente, na palma da mão e com alguns cliques, graças à utilização da tecnologia. Fazemos várias atividades do cotidiano utilizando o celular e o computador.

Essas facilidades são, de fato, muito benéficas para nós ainda mais se tratando de rotinas cada vez mais corridas e em meio a uma pandemia, onde o recomendado é que fiquemos o máximo possível em isolamento social.

E, se tratando de consultas com especialistas, elas são essenciais e precisam ser realizadas periodicamente para garantir que a nossa saúde não esteja em risco, ainda que sejam remotas.

Portanto, se você deseja marcar consulta online, outro grande advento da medicina em tempos modernos, é preciso ter em mente alguns detalhes bem importantes. Siga abaixo o passo a passo, sem medo de errar.

Dica: as consultas médicas virtuais, em muitas vezes, são ideais para problemas de saúde como congestão nasal, tosse, resfriado e erupções cutâneas; consultas ou terapia de saúde mental. Ou seja, é adequada para qualquer problema médico em que exames físicos não se façam tão necessários.

Em casos mais específicos ou em sintomas mais graves, o mais recomendado é que o paciente procure um pronto socorro ou consultório médico presencial, só assim ele conseguirá avaliá-lo clinicamente e indicar o tratamento com maior assertividade.

A consulta virtual pode ser acessada por um link

1. Decida pelo especialista

A primeira delas é a escolha da especialidade médica. Na dúvida, opte pelo clínico geral, uma vez que muito provavelmente ele te passará uma bateria de exames e encaminhará para o especialista, caso necessário.

Filtre por região e escolha uma forma de pagamento (opte pela modalidade de pagamento que estiver ao alcance do seu bolso, e que pode ser desde a popular até a particular, com reembolso). O custo da telemedicina pode variar de acordo com o tipo de consulta. Em caso de dúvida, fale com o seu plano de saúde para ver se há cobertura.

Para agendar a consulta, confira atentamente dias e horários dos atendimentos. Em alguns apps é possível deixar uma avaliação do trabalho realizado pelo profissional, destacando caraterísticas como pontualidade e atenção.

agendamento-online
Em caso de problemas, ligue, envie mensagens de texto

2. Se prepare para a consulta

Depois de escolher o profissional, o próximo passo é se preparar para a consulta. Certifique-se de que o seu plano de saúde (se você tiver) faça a cobertura em gastos com a telemedicina e como configurar a tecnologia.

Procure um lugar tranquilo para se comunicar com seu médico remotamente. Tenho em mãos os seus sintomas, histórico e medicamentos utilizados até o momento, quais funcionam e quais foram os efeitos colaterais.

Antes de sentar na frente da tela do computador ou do celular é preciso configurar seu compromisso virtual. Alguns consultórios médicos têm portais de pacientes on-line onde é possível acessar os registros médicos, se corresponder com a equipe e solicitar consultas.

No caso de outros provedores, pode ser necessário ligar para o escritório para solicitar a consulta, portanto é bem certificar-se disso com antecedência.

Depois de configurar seu compromisso virtual, confirme se você tem à Internet para uma chamada de vídeo via computador, tablet ou smartphone.

3. Durante a consulta

Durante a consulta virtual, tente ser o mais claro possível para que o médico, mesmo que à distância, possa compreender seus sintomas e queixas para ir em busca do melhor tratamento para você.

Em caso de dúvidas referente às informações que lhe forem passadas, não deixe de questioná-las com o médico para garantir que você ficará bem assistido e que conseguirá fazer o que foi solicitado. Por exemplo: se o médico lhe passar um pedido de exame, pergunte a ele qual o laboratório você deveria realizá-lo, ou se tem algum preparo.

Dicas importantes sobre marcar consulta online

* A consulta virtual pode ser acessada por um link, enviado por mensagem de texto ou e-mail, levando-o para a videoconferência. Outros podem exigir que você faça login no portal do paciente;

* Em caso de problemas, ligue, envie mensagens de texto ou e-mail para a equipe do consultório médico. É válido pedir mais orientações para ajudar a acessar a consulta virtual;

* Encontre um ambiente tranquilo com boa iluminação, evitando áreas barulhentas e escuras, isso fará com que a qualidade da sua consulta seja melhor.

  • Mantenha o foco no médico, preste atenção em tudo o que ele vai dizer e não tenha vergonha de tirar todas as suas dúvidas;

* Use fones de ouvido para manter a privacidade e, antes de mais nada, seja paciente. Se a tela congelar ou o áudio ficar lento, diga a ele educadamente e mantenha a calma. Se houver uma desconexão, combine para ver quem ligará primeiro.

A forma mais prática de marcar consulta online

Se interessou neste serviço e deseja saber como fazer para marcar consulta online com médicos especialistas de confiança? Fácil!

No aplicativo Sarar você pode marcar consulta online com segurança e sem burocracias e ainda garantir descontos de até 70% em consultas e exames sem que seja necessário pagar taxas ou mensalidades adicionais. Você paga apenas pelos serviços que agendar.

Quer conferir? É só baixar o aplicativo, escolher o médico especialista mais próximo de você, agendar a consulta pelo app e pronto! Simples, rápido e prático. Para saber mais à respeito dos nossos serviços, é só clicar em: sarar.com.br.

Bom, esperamos que você tenha conseguido compreender quais são os passos para marcar consulta online e como você deve se portar durante uma consulta virtual. E não se esqueça: manter suas consultas em dia é essencial para garantir a sua saúde.

Em caso de dúvidas referente a este assunto ou sobre o app Sarar, basta comentar aqui nesse post que nós te esclarecemos.

E no mais, te esperamos por aqui em nosso blog para mais dicas de saúde e bem-estar. Até a próxima!

O passo a passo de uma consulta médica eficiente

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) fornece orientações específicas para as pessoas no momento da realização de uma consulta médica, diagnóstico ou tratamento de saúde. Na realidade são sugestões de perguntas importantes a serem feitas e que podem resultar em uma boa relação médico e paciente.

A comunicação entre ambos é fundamental e é preciso levar em consideração o momento exato de fazer os questionamentos, a melhor forma de se expressar e também o contexto.

O que o médico deve fazer na consulta médica?

Antes de entrar no consultório do médico leve em mãos, ou se possível, anote em uma folha de papel, detalhes dos sintomas. Relate sobre todos os medicamentos que estão sendo usados e exames anteriores.

Durante a consulta, e bem antes de seguir em frente com o tratamento, antes de mais nada, é necessário obter respostas sobre a necessidade do exame, benefícios, contraindicações e os efeitos colaterais, opções mais simples e seguras e custos envolvidos.

Frente a frente com o seu médico, relate em detalhes o que você está sentindo e o que vem fazendo para resolver o problema. Escute com bastante atenção as orientações do profissional de saúde e responda corretamente o que é perguntado, sem medo ou vergonha de entender absolutamente tudo.

Se ele prescrever exames, é do seu direito como cliente e paciente indagar sobre benefícios, contraindicações, possíveis e futuras complicações, a obrigatoriedade, e, principalmente, a data do resultado.

Depois do diagnóstico fique por dentro da exata duração do tratamento, riscos, resultados, opções e alimentação adequada. Certifique-se da necessidade ou não do retorno e a existência de grupos de apoio ou associação de pacientes relacionados ao problema de saúde. Todas estas dicas são importantes para um resultado efetivo.

Anamnese médica

Todo o processo acima é chamado de anamnese médica ou entrevista clínica e não existe uma duração pré-determinada para essa etapa. Porém, ela precisa ser muito bem apurada.

Além da troca de informações, o médico precisa checar alguns sinais vitais do paciente e aferir a pressão arterial, a frequência do pulso para detectar irregularidades cardíacas, pesagem corporal em casos de pessoas com sobrepeso e testes de reflexo em suspeita de doença neurológica.

Na consulta médica, o profissional precisa ver, sentir e escutar o paciente para ter um diagnóstico correto e prescrever um tratamento mais efetivo. É preciso olhar atentamente o paciente, e como isto vai ser feito dependerá da especialidade do profissional consultado.

Muitos sintomas de doenças são visíveis, com partes do corpo apresentando deformidades, inchaços, vermelhidão, irritação na pele, etc.

Retorno

Se refere à consulta anterior e não se enquadra em atendimento em relação a uma nova doença, anamnese, exames. Se o tratamento é contínuo, exigindo reavaliações periódicas e modificações terapêuticas, deverá ocorrer o pagamento de novos honorários.

O médico sempre será o responsável por identificar as hipóteses de retorno ou de nova consulta. Paciente, clínica ou hospital não podem interferir na autonomia. Mas em 2018, a Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados aprovou uma proposta que proíbe a cobrança de consulta médica no caso de retorno do paciente para apresentar exames num determinado período de tempo, de até 30 dias.

Como escolher o melhor ortopedista?

Uma dor que incomoda ao andar? Ou na coluna? Ou talvez a panturrilha esteja ardendo antes mesmo de uma atividade física? Estas são atribuições de um ortopedista, um dos médicos responsáveis por  cuidar do corpo com lesões ou de forma preventiva. Entenda mais sobre essa especialidade e saiba como escolher.

O que faz a ortopedia?

Ortopedia é a especialidade da medicina responsável por tratar do sistema locomotor. Estão aí envolvidos a coluna vertebral, os ossos do corpo e músculos. Eles podem ser analisados isoladamente (lesão local) ou em conjunto (problemas de postura, por exemplo).

O trabalho do ortopedista é identificar e tratar lesões no sistema locomotor. Elas podem ser aparentes (inchaços ou manchas) ou ocultas. Neste caso sentimos a dor mas não conseguimos identificar a lesão a olho nu. 

Esta especialização da área médica pode ser feita após o profissional se tornar clínico geral. Neste caso ele leva entre 2 a 3 anos estudando para ser um ortopedista e pode atuar nas áreas clínicas, cirúrgica e reabilitação.

Critérios para escolher um bom ortopedista

A escolha de um bom médico vai muito além de simpatia e ter um diploma no consultório. Esses seriam critérios essenciais e básicos. Sendo assim, alguns pontos (mesmo mínimos) podem te ajudar a escolher o melhor de acordo com o seu problema. São critérios importantes:

A sub especialidade

Todo ortopedista pode se especializar em uma parte do corpo específica, o que é um grande diferencial.

Um ortopedista pode ser especialista em ombros e ajudar no trato de lesões por deslocamento, por exemplo. Há ainda especialistas em quadril, em coluna e em lesões por esforço. Saber a área a qual o seu médico se dedicou pode ser de grande ajuda no tratamento.

Se ele é cirurgião

Para uma consulta clínica não há problema. Porém, caso a sua comorbidade necessite de cirurgia e você já tenha tido esse diagnóstico, já isso pode afunilar a sua busca.

O histórico de tratamentos 

Existem médicos tão bons em tratar alguns tipos de lesões que se tornam especialistas no assunto. Este histórico fornecido por outros pacientes ou indicação de parceiros da medicina é crucial na busca por um bom ortopedista. 

Acompanhando diversos pacientes em um tratamento específico, o profissional adquire experiência. Além do que ele pode comparar casos, profilaxias que funcionaram ou prever problemas durante a trajetória na busca da cura.

Escuta o paciente

Ouvir é crucial para um bom médico, já que eventualmente o problema é tratado mas ele retorna porque a causa não foi sanada. Às vezes o motivo de uma lesão surge em uma conversa prévia antes do exame físico. Ouvir o paciente e seus relatos é importantíssimo e um excelente ponto de partida na consulta.

É preciso consultar um ortopedista preventivamente?

Este é o tipo de médico que só precisa ser consultado em caso de dores ou lesões. Nosso sistema locomotor foi elaborado para funcionar bem de forma natura. Ou seja, a sincronia dos músculos e ossos no sistema locomotor é perfeita se tudo estiver OK.

Sem doenças (visíveis ou não) seu funcionamento será pleno em movimentar o corpo com os comandos cerebrais.  Em outras palavras, sem dor ou inchaço, o ortopedista não precisa ser consultado.

Quando procurar um urologista?

O urologista é o médico responsável por cuidar do sistema reprodutor masculino e do sistema urinário de ambos os sexos. Este tipo de profissional oferece atendimento clínico para diferentes faixas etárias e necessidades. Sobre quando procurar um urologista e os sintomas alarmantes  você descobrirá a seguir. Confira!

Quando procurar uma consulta com um urologista  pela primeira vez?

Ao contrário do que muitos pensam, não é apenas na fase adulta que deve ser consultado por um urologista. As crianças, podem ser consultadas com este tipo de especialista da área médica, quando apresentarem alguma má formação ou inflamação no trato urinário. 

Portanto, a criança deve ser levada a um urologista quando apresentar as seguintes condições clínicas:

  • Fimose;
  • Testículos não descidos – os testículos nascem foram da bolsa testicular;
  • Alterações urinárias;
  • Infecções urinárias de repetição – recorrentes.

Nos casos citados acima, o atendimento pode acontecer quando a criança ainda é um bebê, com encaminhamento do próprio pediatra. 

Já na  adolescência, pode ser feito uma consulta com este tipo de profissional para exames de rotina. O médico possui nesta fase o papel de orientar sobre doenças, infecções e cuidados preventivos.

Quando a visita ao urologista deve ser obrigatória

Após os 45 anos a visita ao urologista começa a ser obrigatória. Faz parte do check up anual para exames de rotina e rastreamento de possíveis tumores de todos os homens, sem exceção. 

O câncer de próstata, é uma das doenças responsáveis por maior número de mortes do sexo masculino. Contudo, o tratamento aumenta em mais de 70% as chances de sobrevivência, quando diagnosticado precocemente. E esse diagnóstico só é possível em uma consulta de rotina. 

Quando fazer uma visita ao urologista de emergência?

O ideal é todos fazerem uma visita de rotina ao urologista para checagem. É durante essas consultas, que o médico analisa exames de sorologia e pode diagnosticar doenças em sua fase inicial. Acima de tudo, uma visita anual ao urologista é recomendada por todos os profissionais de saúde. 

Mas caso, você sinta uma mudança no trato urinário ou no sistema reprodutor subitamente, poderá marcar uma consulta de emergência com o médico especializado.  

É importante ir ao médico se o paciente sente os seguintes sintomas:

  • Dores ou ardência ao urinar;
  • Mudança na coloração da urina sem o uso de medicamentos. Alguns remédios podem alterar a cor da urina temporariamente;
  • Mal cheiro na urina;
  • Febre, acompanhando alguma alteração citada acima na urina;
  • Incontinência urinária;
  • Cólica renal;
  • Bexiga hiperativa, ou seja, quando a bexiga contrai mais do que o normal;
  • Dores no ato sexual;
  • Impotência sexual;
  • Sangramento na urina;
  • Dores lombares, pois elas podem significar cálculo renal;
  • Dificuldades na ejaculação;
  • Sangue na ejaculação;
  • Dificuldades com a ereção.

Você sabia que um urologista pode atender mulheres também?

Pouca gente sabe, mas um urologista pode atender mulheres também. Este tipo de profissional possui conhecimento  do sistema urinário masculino e feminino.

O que acontece, é que o sistema urinário feminino também é verificado em outras especialidades. Por exemplo, o ginecologista, cuida do sistema reprodutor feminino e do sistema urinário nos mesmos exames. Em suma, não se faz necessário procurar outro especialista para a mesma área.

Mas caso seja necessário, uma mulher pode  consultar com um urologista, sem problemas. O mais importante é não deixar de procurar um profissional da área de saúde, quando necessário.

Clínico geral ou especialista: como saber com quem consultar?

Uma dor incômoda e que vem se agravando pede uma visita ao médico. Ou quem sabe uma mancha na pele. Mas para qual médico marcar uma consulta: clínico geral ou especialista? Entenda as diferenças entre os dois tipos de profissionais de medicina e saiba qual pode te atender melhor.

O que é um clínico geral?

Clínico geral é o médico com entendimento para analisar o corpo humano como um todo. Ele não está focado em tratar apenas um único órgão porque seu estudo foi feito para compreender todo o organismo e sua perfeita harmonia de funcionamento. Ele é então um ‘generalista.’

Todos os estudantes de medicina estudam na universidade ou faculdade e se graduam como clínicos gerais. Eles podem atuar em hospitais em atendimento de emergência, clínicas e até em cirurgia se sua especialidade for a cirurgia geral.

E o que seria então um médico especialista?

Um médico especialista é aquele focado no funcionamento e diagnóstico de doenças de um único órgão. Em outras palavras, ele sabe tudo sobre o funcionamento do corpo humano como um todo mas preferiu focar na sua carreira em um único órgão.

Tais profissionais passaram pela clínica geral após saírem de suas residências mas foram além e se especializaram. São exemplos os cardiologistas, dermatologistas, psicólogos, pediatras, endocrinologistas, dentre muitos outros.

Quando procurar um clínico geral?

Infelizmente nosso corpo é um grande quebra-cabeça quando se trata de doenças e direcionar tratamento. O mesmo sintoma pode ser indicativo de diversas condições clínicas. Febre e dores musculares são grandes exemplos disso. Quando não se sabe exatamente o que está incomodando a melhor dica é procurar um clínico geral.

O trabalho do clínico geral é diagnosticar o problema e realizar o tratamento ou encaminhar para quem possa. Algumas condições são gerais e bem simples como uma dor de barriga causada por infecção intestinal, por exemplo. Após a constatação do problema por meio de exames o médico indica a medicação e acompanha o tratamento.

Os casos em que o especialista é o mais indicado

Especializar-se em um único órgão fornece algumas vantagens ao médico. Ele pode tratar melhor de condições clínicas graves, analisar medicações modernas e novas descobertas no universo da medicina. Ser especialista quer dizer “saber um pouco mais que um médico generalista”.

E são só especialistas os focados em um tratamento bem específico e mais cauteloso de algumas doenças. Um clínico geral pode, por exemplo, tratar uma pressão arterial elevada com medicação. Contudo, quem poderá observar se é um problema crônico ou temporário com um tratamento periódico será o cardiologista.

Um especialista costuma debruçar-se sobre o conhecimento de sua área para fornecer o melhor a seu paciente. Todo o seu tempo é dedicado a uma especialidade, por isso ele tem por obrigação ser melhor nesse órgão do corpo humano em comparação a um clínico geral.

Posso consultar diretamente um especialista?

Se você se sente seguro diante dos sintomas em tratar primeiro com um especialista, pode procurá-lo diretamente sem problemas. Na verdade, esse é um costume bem brasileiro: ir direto a um especialista. Já marcamos uma consulta no endocrinologista, por exemplo, quando desconfiamos de um mal funcionamento da tireoide.

Não há problema em ir direto ao médico que você acha ser capaz de cuidar da sua doença. Um bom profissional da área de saúde investiga as condições clínicas por meio de exames. Então, caso a sua suspeita esteja errada haverá encaminhamento para outro profissional. No máximo há uma perda de tempo, mas há uma oportunidade de checar outras áreas do corpo também.

Especialidades médicas: saiba em qual médico consultar!

Para cada reclamação ou condição clínica ouvimos dos amigos: procure um médico! Mas qual médico procurar? Para cada sintoma ou conjunto de sintomas no corpo, um tipo de profissional da área de saúde deve ser consultado. Entenda a seguir um pouco mais sobre as especialidades médicas e o que elas podem fazer por você.

O que é uma especialidade médica?

Após terminar o curso de medicina, o médico se forma em clínico geral. Durante o período de residência, ele terá experiência em diagnosticar diversos sintomas. Contudo, não possui especialidade para focar no trato de um único órgão, por tratar do corpo como um todo.

O clínico geral atua em emergências hospitalares ou em consultório próprio e pode cuidar das vacinas de rotina, do acompanhamento de quadros como alergias, dentre outros problemas gerais. Após ouvir ao paciente e analisar alguns exames, o clínico geral diagnostica doenças e encaminha para um especialista.

Após conhecer um pouco mais do corpo humano o médico costuma especializar-se em alguma área. Ou seja, ele escolhe qual área do corpo deseja tratar ao longo de sua carreira, seja em consultório ou como cirurgião. Neste caso ele pode ser um cardiologista, dermato, nefro, e assim por diante.

As especialidades médicas e qual parte do corpo tratam

Para procurar o médico correto de acordo com os sintomas ou de um diagnóstico já relatado por um clínico geral, é necessário conhecer as especialidades. São elas:

Cardiologista – médico responsável por cuidar de problemas relacionados ao coração. Além disso, trata de problemas como a pressão arterial.

Angiologista – aqui, estamos tratando do sistema circulatório. Em outras palavras, da forma como o sangue circula no seu corpo. Pode tratar inchaços nas pernas e braços, por exemplo, e problemas com veias, artérias e vasos linfáticos. Ele é quem trata de varizes, por exemplo.

Endocrinologista – especialista nas glândulas do nosso corpo e produção de hormônios. É um dos médicos procurados quando há um problema na tireoide, por exemplo. No caso de crianças podem diagnosticar doenças no desenvolvimento errôneo.

Hematologista – trata especificamente do sangue e sua qualidade. É responsável por cuidar da anemia, por exemplo, ou problemas de coagulação.

Pneumologista – uma das especialidades médicas mais procuradas para cuidar dos pulmões e de todo o funcionamento do sistema respiratório. Ele trata de doenças como a asma, rinite e enfisema pulmonar, por exemplo. E também, faz tratamentos contra o tabagismo.

Proctologista – responsável por tratar doenças no ânus, cólon e reto. Ele pode diagnosticar e tratar câncer no reto. Este tipo de médico deve ser procurado com problemas no intestino ou dores ao evacuar, por exemplo.

Reumatologista – especialista em doenças inflamatórias como lúpus, artrite e artrose.

Dermatologista – uma das especialidades médicas que pode cuidar de doenças na pele, indo de pequenas inflamações a algo mais grave. Alergias constantes, manchas na pele e trato de doenças crônicas na parte externa do corpo são com ele também.

Mastologista – médico com foco no estudo e trato das glândulas mamárias. Ele seria, portanto, um dos responsáveis por identificar e acompanhar o tratamento de um câncer de mama, por exemplo.

Neurologista – estuda o nosso sistema nervoso central e periférico. Em outras palavras, os nossos neurônios. Pode ser procurado quando a cefaleia (dor de cabeça) se torna crônica, por exemplo.

Oncologista – o médico dedicado a tratar o câncer. Ele fará o acompanhamento para remoção e tratamentos de quimio e radioterapia.

Há ainda, especialidades as quais confundem pacientes mas não são da formação de medicina. O fisioterapeuta, dentista, psicólogo e fonoaudiólogo, por exemplo, são da área de saúde mas não são médicos. 

Entenda a função da psicologia na atualidade

Entender a mente e o comportamento humano é um desejo de todos, mas apenas uma ciência faz isso. Ela se chama psicologia, um dos ramos de estudos mais complexos e importantes da atualidade. Ela pode, inclusive, ser crucial para compreender e lidar  com algumas situações contemporâneas. Saiba mais a seguir.

O que é a psicologia?

Quando alguém sente vontade de conversar e não se sente ouvido, ou não tem liberdade e confiança para falar de determinado assunto, com as pessoas que estão a sua volta, é comum desejar procurar um psicólogo. Este tipo de frase faz parte do cotidiano, mas não representa o papel de profissionais da área, de uma forma precisa. 

A psicologia é a área das ciências humanas responsáveis por estudar a mente e o comportamento humano. Esta definição é a mesma tanto no dicionário Aurélio como da Organização Mundial de Saúde e do Conselho Federal de Medicina. 

Esta é uma das ciências mais antigas da humanidade. Deriva da filosofia e do interesse do homem de compreender o mundo ao seu redor e as relações entre as pessoas. Mas foi no  Século XX,  que os estudos  e as pesquisas sobre o assunto avançaram radicalmente.

A importância do entendimento do “eu”

Um dos grandes motivos da procura por um psicólogo é a busca por autoconhecimento. Este interesse em dominar o “eu”, entender como funciona cada reação e sentimento é o que torna a psicologia tão importante para o crescimento pessoal. 

Este é o único ramo de conhecimento responsável por entendimento pessoal, além do físico, uma vez que a psicologia também pode melhorar o corpo físico, você sabia? Isso acontece porque ela trata a mente, avaliando as memórias e sentimentos de forma a encontrar a causa de algumas reações. 

Por exemplo, se você apresenta sudorese ao atravessar uma ponte é sinal de medo ou ansiedade. Este sintoma físico pode estar ligado a algo bem mais íntimo e poderoso a ser tratado com um psicólogo. Logo, curar a mente é curar também o corpo. 

Conhecer mais sobre o ‘eu’, ajuda no entendimento dos sentimentos e superar diferentes situações do cotidiano. 

A função social da psicologia

É fato, que a psicologia tem um enorme papel no desenvolvimento pessoal e mudanças comportamentais. Se uma pessoa está enfrentando graves crises de ansiedade, por exemplo,  o psicólogo é o profissional adequado para ajudá-lo.  

A psicologia, também estuda o homem inserido no meio, seu comportamento diante de diversas situações e seus sentimentos na tomada de decisões.

Muitos estudos são responsáveis por revelar e resolver problemas sociais. Por exemplo: investigar o medo ou vergonha de algumas pessoas em ir a um consultório médico, pode levar a um aumento de visitas do agente de saúde  para orientações.

É uma prova de como o estudo da psicologia pode auxiliar comunidades. Uma união entre conhecimento social e o mental para ajudar um público  específico. 

A psicologia ainda tem muito por desenvolver

São apenas 600 anos de existência da psicologia. Demorou mais de um século para se compreender seu valor interdisciplinar e ainda há muito a se desenvolver.

Seus recentes usos na política, por estudo de comportamento, para direcionar o voto de forma precisa com as fakes news, é uma grande prova do que esta ciência ainda possui para oferecer ao mercado.