fbpx
relação médico paciente

Relação médico paciente: quais são os pilares da boa relação

Relação médico paciente: quais são os pilares da boa relação

Como em qualquer relação, seja pessoal ou profissional, o respeito e a confiança são fundamentais na consolidação de grandes parcerias. Na relação médico paciente isto também não é diferente. Mas, quais são os pilares que fazem chegar a resultados positivos, com a promoção da saúde em primeiro lugar?

É preciso um diálogo aberto e honesto, pois este profissional da saúde saberá todo seu histórico médico já na primeira consulta. E também traços da sua personalidade, pontos fortes e fracos, bem como detalhes pessoais e da sua vida.

Quando existe uma boa comunicação, tudo flui naturalmente. A eficácia da conversa entre médico e paciente resulta em impactos positivos tais como melhora significativa da saúde, não somente a funcional, como a emocional também. Só assim o tratamento médico irá trazer bons resultados.

Habilidades técnicas e apoio na relação médico paciente

Nos Estados Unidos, a relação médico paciente tem levado alguns especialistas a estudar a questão. Por lá as conclusões são a de que, durante um tratamento, o profissional da saúde deve exercer claramente quatro funções básicas: ser tutor, especialista técnico, conselheiro e amigo. A American Medical Association e principais organizações, confirmam sim a necessidade de um relacionamento sólido.

Por mais pragmáticos que possam ser os profissionais da saúde, eles sabem da importância do apoio que deve ser dado ao enfermo no leito de um hospital, em um momento frágil, e não estar somente preocupado em desenvolver questões de competência clínica e habilidade. A dita compaixão.

Mas nem sempre isto ocorre. Tanto que casos de ações na justiça e outros processos são comuns tanto por lá como aqui. Estamos falando de divergências de opiniões, de tratamentos, personalidades, expectativas frustradas, etc.

E, com advento da tecnologia, muitos médicos sabem que as avaliações dos pacientes ganham relevância. Como consumidores eles comparam e avaliam a qualidade dos serviços que recebem.

Pergunte tudo

A relação médico paciente precisa ser bilateral para ser saudável, ou seja, para funcionar, é preciso que as partes assumam obrigações recíprocas, uma em face da outra. E, para que tudo funcione, são necessárias algumas regras.

Em primeiro lugar, procure credenciais do profissional que tratará de você, informações como especialidades, métodos utilizados para prestar seus serviços, resumo do histórico profissional e educacional, credibilidade e personalidade. Analise várias opiniões e não chegue a decisões precipitadas. O que funciona para um, pode muito bem não funcionar para outro.

E não esconda nada

Na consulta, nunca esconda informações ou minta para o seu médico. Fale abertamente sobre seus sintomas, quais medicamentos você toma e se está seguindo todas as prescrições. Forneça dados corretos e completos.

O consultório não é exatamente um local para deixar aflorar a timidez. Deixe ela do lado de fora da porta. Até porque com a internet, muitos se antecipam e acham que estão armados de informações seguras, o que não é verdade, algumas são imprecisas e não têm nada a ver com o seu caso.

Faça todas as perguntas possíveis sobre a sua enfermidade, detalhes do tratamento, procedimento programado ou cirurgia. Você não está pedindo nada demais, além da conta. Este é o seu direito.

E nunca se esqueça: seja gentil com o seu médico. Cumprimente-o com um sorriso, se possível. Gentileza e educação acima de tudo. Antes de sair do consultório, agradeça. E, siga a risca todas as determinações dadas a você pelo seu médico. Só assim o seu tratamento terá sucesso. E o relacionamento agradece.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *