fbpx

Tabagismo: existe tratamento médico para parar de fumar?

O tabagismo é, sem sombra de dúvida, o maior vilão para a saúde e a qualidade de vida de qualquer pessoa. Um vício prejudicial e que pode levar à morte, causando uma série de doenças.

Segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer), o tabagismo surge como um dos inimigos das defesas do corpo e eleva a chance de adoecer, um perigo em tempos de pandemia e contágio da Covid-19. Isto porque o vício aumenta o risco de adoecer as vias aéreas. E o cigarro também está associado a doenças respiratórias como asma, enfisema pulmonar, bronquite crônica e doença pulmonar obstrutiva.

Mas, por que parar de fumar é tão difícil, já que a fumaça afeta todos os nossos órgãos, dentes, imunidade e autoestima?

Primeiro: a nicotina é altamente viciante. Segundo: a dependência não é apenas química, mas psicológica. E existem ainda os fatores que facilitam o consumo, como preço baixo, fácil acesso e não ser ilegal, podendo ser adquirido em qualquer lugar.

Medicamentos e outros dispositivos para fugir do tabagismo

Sem fórmulas mágicas, especialistas recomendam duas frentes importantes, que são os remédios e a terapia cognitivo-comportamental.

Antes de mais nada, o melhor tratamento para o tabagismo dependerá de fatores individuais tais como idade, gravidez ou amamentação, e condições médicas. Os principais remédios são:

Terapia de reposição de nicotina

Fornece um baixo nível de nicotina, sem o alcatrão, o monóxido de carbono e outros produtos químicos tóxicos presentes na fumaça do tabaco. Pode ser encontrada nas formas de adesivos (usados o tempo todo e alguns retirados à noite), inaladores, chicletes, sprays nasal (bucal), comprimidos e pastilhas. É só escolher.

Vareniclina

Se liga parcialmente ao receptor da nicotina, sendo capaz de, ao mesmo tempo, reduzir a intensidade do desejo pelo cigarro e diminuir os sintomas relacionados à abstinência do tabagismo.

Cloridrato de Bupropiona

Fármaco da classe dos antidepressivos atípicos, indicado para a dependência à nicotina. Age no sistema nervoso central aumentando a disponibilidade dos neurotransmissores noradrenalina e dopamina, que estão associados à sensação de bem-estar, influenciando no grau de dependência do paciente.

Cigarros eletrônicos: dispositivo que libera nicotina na forma de vapor. Permite inalar a substância sem a maioria dos efeitos nocivos do fumo, já pois não contém alcatrão ou monóxido de carbono.

Terapia

Porém, a medicação sozinha não traz o efeito esperado. A estratégia mais eficaz para parar com o tabagismo para sempre é combinar o fármaco com um programa que inclua o apoio de profissionais treinados para tratar a dependência do tabaco.

Muitos hospitais, empresas de saúde e empregadores oferecem este serviço importante de apoio. Os melhores e mais eficazes levam em consideração fatores como gatilhos, estilo de vida e tentativas anteriores para largar o vício.

Os melhores programas contam com metodologias específicas. Ao procurar ajuda, fique atento e escolha aqueles com ciência comprovada e abordagens clínicas bem específicas como aconselhamento, terapias comportamentais e consultas com um médico.

E, fazendo valer da tecnologia e consultas virtuais, opte também pelas mensagens de suporte por telefone, e-mail ou texto. Caso não funcione, recorra a grupos de suporte presenciais. O importante é parar de fumar o mais rápido possível.