fbpx

Especialidades médicas: saiba em qual médico consultar!

Para cada reclamação ou condição clínica ouvimos dos amigos: procure um médico! Mas qual médico procurar? Para cada sintoma ou conjunto de sintomas no corpo, um tipo de profissional da área de saúde deve ser consultado. Entenda a seguir um pouco mais sobre as especialidades médicas e o que elas podem fazer por você.

O que é uma especialidade médica?

Após terminar o curso de medicina, o médico se forma em clínico geral. Durante o período de residência, ele terá experiência em diagnosticar diversos sintomas. Contudo, não possui especialidade para focar no trato de um único órgão, por tratar do corpo como um todo.

O clínico geral atua em emergências hospitalares ou em consultório próprio e pode cuidar das vacinas de rotina, do acompanhamento de quadros como alergias, dentre outros problemas gerais. Após ouvir ao paciente e analisar alguns exames, o clínico geral diagnostica doenças e encaminha para um especialista.

Após conhecer um pouco mais do corpo humano o médico costuma especializar-se em alguma área. Ou seja, ele escolhe qual área do corpo deseja tratar ao longo de sua carreira, seja em consultório ou como cirurgião. Neste caso ele pode ser um cardiologista, dermato, nefro, e assim por diante.

As especialidades médicas e qual parte do corpo tratam

Para procurar o médico correto de acordo com os sintomas ou de um diagnóstico já relatado por um clínico geral, é necessário conhecer as especialidades. São elas:

Cardiologista – médico responsável por cuidar de problemas relacionados ao coração. Além disso, trata de problemas como a pressão arterial.

Angiologista – aqui, estamos tratando do sistema circulatório. Em outras palavras, da forma como o sangue circula no seu corpo. Pode tratar inchaços nas pernas e braços, por exemplo, e problemas com veias, artérias e vasos linfáticos. Ele é quem trata de varizes, por exemplo.

Endocrinologista – especialista nas glândulas do nosso corpo e produção de hormônios. É um dos médicos procurados quando há um problema na tireoide, por exemplo. No caso de crianças podem diagnosticar doenças no desenvolvimento errôneo.

Hematologista – trata especificamente do sangue e sua qualidade. É responsável por cuidar da anemia, por exemplo, ou problemas de coagulação.

Pneumologista – uma das especialidades médicas mais procuradas para cuidar dos pulmões e de todo o funcionamento do sistema respiratório. Ele trata de doenças como a asma, rinite e enfisema pulmonar, por exemplo. E também, faz tratamentos contra o tabagismo.

Proctologista – responsável por tratar doenças no ânus, cólon e reto. Ele pode diagnosticar e tratar câncer no reto. Este tipo de médico deve ser procurado com problemas no intestino ou dores ao evacuar, por exemplo.

Reumatologista – especialista em doenças inflamatórias como lúpus, artrite e artrose.

Dermatologista – uma das especialidades médicas que pode cuidar de doenças na pele, indo de pequenas inflamações a algo mais grave. Alergias constantes, manchas na pele e trato de doenças crônicas na parte externa do corpo são com ele também.

Mastologista – médico com foco no estudo e trato das glândulas mamárias. Ele seria, portanto, um dos responsáveis por identificar e acompanhar o tratamento de um câncer de mama, por exemplo.

Neurologista – estuda o nosso sistema nervoso central e periférico. Em outras palavras, os nossos neurônios. Pode ser procurado quando a cefaleia (dor de cabeça) se torna crônica, por exemplo.

Oncologista – o médico dedicado a tratar o câncer. Ele fará o acompanhamento para remoção e tratamentos de quimio e radioterapia.

Há ainda, especialidades as quais confundem pacientes mas não são da formação de medicina. O fisioterapeuta, dentista, psicólogo e fonoaudiólogo, por exemplo, são da área de saúde mas não são médicos. 

Endometriose: qual é a hora certa para procurar um médico?

A cólica é um dos sintomas mais comuns da TPM (tensão pré menstrual). Entretanto, ela deve ser suportável e permitir uma rotina diária. Porém, quando surge forte demais é possível que a mulher esteja com endometriose, uma das doenças do sistema reprodutor feminino mais comuns. Saiba mais a seguir.

Entenda o que é endometriose

O útero possui o formato de uma pera e é revestido por uma mucosa conhecida como endométrio. Esta mucosa recebe o útero quando há a gravidez para o desenvolvimento do feto. Mas quando a gravidez não acontece é eliminada a cada 21 dias na menstruação. 

Contudo, esse descarte deve ir para a vagina diretamente, mas nem sempre isso acontece. A mucosa é descartada sempre, mas ela pode se deslocar em sentido contrário. Nos casos negativos ela vai para a cavidade abdominal ou para os ovários. É aí que surge a endometriose. 

A endometriose é o acúmulo do endométrio em locais inapropriados do corpo e a dor surge exatamente por este acúmulo estar em locais inadequados.

Quando se deve ir ao médico?

O principal sintoma da endometriose é a cólica. No entanto, ela é diferente das cólicas normais, pois é mais forte, fazendo com que muitas mulheres não consigam seguir com a sua rotina diária. Muitas, inclusive, não conseguem trabalhar e necessitam de uma medicação. 

A indicação dos médicos é marcar uma consulta, caso haja uma cólica forte e intensa. E se houver uma mudança no comportamento da menstruação, é ainda mais urgente marcar a consulta, porque alguma coisa não está normal. 

Outros sintomas cabíveis de uma consulta ao médico são:

  • Dores durante relações sexuais;
  • Alterações urinárias – dores ao urinar, ardência ou dificuldades;
  • Alterações intestinais – diarreia, prisão de ventre ou dores abdominais;
  • Dificuldades de engravidar.

Os exames de rotina ajudam a prevenir a endometriose

A indicação dos médicos é uma consulta anual com um ginecologista, para mulheres de todas as idades. Isso deve iniciar após o início da vida sexual, ou seja, quando a mulher se tornar sexualmente ativa. E mesmo estando em abstinência é preciso procurar um médico. 

As consultas de rotina ao ginecologista incluem vários exames. O papanicolau, por exemplo, é um deles. Na endovaginal, também é possível ver traços de uma endometriose, caso ela exista. 

No entanto, há exames específicos, que o médico pode solicitar. Como a ressonância magnética, por exemplo, capaz de perceber rápido a presença da endometriose, tendo em vista a ótima  qualidade da imagem. 

Já a  videolaparoscopia pode ser indicada para quem apresenta um grupo de sintomas, cuja causa não fora encontrada. .

Mulheres do grupo de risco devem se consultar sempre

Estudos indicam a presença de alguns fatores de riscos, responsáveis por aumentar as chances do surgimento da endometriose. São eles:

  • Mães com endometriose;
  • Imunidade baixa;
  • Estresse.

Os períodos de maior ansiedade, são responsáveis por um aumento significativo da endometriose em mulheres entre 30 e 40 anos. 

Tratamento para a endometriose

Após o diagnóstico por um profissional da área de saúde, é preciso iniciar o tratamento. Há dois tipos de tratamento: clínico ou cirúrgico. 

O tratamento clínico envolve medicamentos e acompanhamento médico. Infelizmente nem todas as mulheres respondem positivamente a ele. 

Já o tratamento cirúrgico, depende do grau de endometriose da paciente. A ‘exploração’ cirúrgica consiste em remover os focos da mucosa, alojados em diferentes partes do corpo, para acabar com as inflamações.