fbpx

Saiba qual é o médico que trata de doenças cardiovasculares

Dia 29 de setembro é o dia mundial do coração, data criada para lembrar dos cuidados necessários para evitar doenças cardiovasculares. Essas são as doenças que mais matam no mundo e precisam de cuidados constantes. Saiba qual médico seguir e como prevenir enfermidades. 

Qual médico trata de doenças cardiovasculares?

As doenças cardiovasculares são enfermidades relacionadas ao coração e aos vasos sanguíneos (artérias, veias e vasos capilares), os responsáveis por levar e trazer o sangue para o coração. O médico responsável por tratar tais doenças é o cardiologista

No geral indica-se uma visita anual ao cardiologista. No entanto, caso alguma comorbidade seja encontrada ou sintomas típicos surjam no dia a dia, o médico deve ser consultado muito antes desses 12 meses finalizarem. Exames de rotina e visita ao médico anual são indicados para adultos de todas as faixas etárias. 

Os perigos das doenças cardiovasculares

No Brasil, doenças do coração são responsáveis por 30% das mortes no país, matando mais que o câncer e acidentes no trânsito. Estamos falando de um órgão resistente que aguenta estresse e sedentarismo contínuo e grandes esforços físicos. Contudo, quando ele ‘falha,’ costuma ser um problema silencioso.

O entupimento das vias coronárias é gradativo e pequeno. Pode demorar entre 20 e 30 anos até um problema no coração mostrar um sintoma ou ser fatal.

Os problemas mais comuns são as arritmias e o infarto, responsáveis por mais de 80 mil mortes no Brasil em 2018. Eles simplesmente acontecem com pouco tempo para socorro após os sintomas iniciarem. 

Embora o número seja alto, não é para muito alarde. Isso porque 80% das pessoas que já sofreram com infarto sobreviveram no país. Isso quer dizer que com o cuidado certo e tratando da saúde na rotina diária, é possível passar por esses problemas. 

As principais doenças cardiovasculares

Segundo a Organização Mundial de Saúde as doenças cardiovasculares são as principais causas de morte em todo o mundo há mais de uma década. As principais são:

  • Trombose: coágulos no sangue que podem se desalojar e entupir veias;
  • Coronariana: quando os vasos do músculo cardíaco são afetados;
  • Arterial periférica: problemas nos vasos que irrigam braços e pernas;
  • Cerebrovascular: um problema focado nos vasos de irrigação do cérebro;
  • Cardio-reumática: danos na musculatura cardíaca e válvulas causadas por ação de bactérias estreptocócicas;
  • Congênita: quando o coração já se desenvolve com problemas. 

Os principais sintomas das doenças cardiovasculares

Apesar de serem condições clínicas silenciosas, as doenças cardiovasculares podem enviar sinais de que algo não está legal com o coração. Pode-se observar, por exemplo, dores de cabeça. A dor de cabeça é um sinal clínico de aumento de pressão arterial, ou seja, algo não está legal com o coração. 

Pode-se esperar ainda:

  • Fadiga;
  • Arritmia;
  • Dor no peito;
  • Dormência nas mãos e nos pés;
  • Dificuldade na fala;
  • Desmaios.

O tratamento para doenças cardiovasculares

Existem vários tipos de tratamento de acordo com a doença cardíaca apresentada. O acompanhamento pode ser clínico, com medicamentos de uso temporário para uma reavaliação ou contínuo. Remédios para controle de pressão arterial, por exemplo, são de uso contínuo. 

A intervenção cirúrgica é indicada com doenças cardiovasculares. Neste caso são feitos exames e escolhida a melhor metodologia de acordo com o problema. Mas lembramos que quando diagnosticadas precocemente as doenças cardiovasculares podem ser tratadas ou evitadas.

Como escolher o melhor ortopedista?

Uma dor que incomoda ao andar? Ou na coluna? Ou talvez a panturrilha esteja ardendo antes mesmo de uma atividade física? Estas são atribuições de um ortopedista, um dos médicos responsáveis por  cuidar do corpo com lesões ou de forma preventiva. Entenda mais sobre essa especialidade e saiba como escolher.

O que faz a ortopedia?

Ortopedia é a especialidade da medicina responsável por tratar do sistema locomotor. Estão aí envolvidos a coluna vertebral, os ossos do corpo e músculos. Eles podem ser analisados isoladamente (lesão local) ou em conjunto (problemas de postura, por exemplo).

O trabalho do ortopedista é identificar e tratar lesões no sistema locomotor. Elas podem ser aparentes (inchaços ou manchas) ou ocultas. Neste caso sentimos a dor mas não conseguimos identificar a lesão a olho nu. 

Esta especialização da área médica pode ser feita após o profissional se tornar clínico geral. Neste caso ele leva entre 2 a 3 anos estudando para ser um ortopedista e pode atuar nas áreas clínicas, cirúrgica e reabilitação.

Critérios para escolher um bom ortopedista

A escolha de um bom médico vai muito além de simpatia e ter um diploma no consultório. Esses seriam critérios essenciais e básicos. Sendo assim, alguns pontos (mesmo mínimos) podem te ajudar a escolher o melhor de acordo com o seu problema. São critérios importantes:

A sub especialidade

Todo ortopedista pode se especializar em uma parte do corpo específica, o que é um grande diferencial.

Um ortopedista pode ser especialista em ombros e ajudar no trato de lesões por deslocamento, por exemplo. Há ainda especialistas em quadril, em coluna e em lesões por esforço. Saber a área a qual o seu médico se dedicou pode ser de grande ajuda no tratamento.

Se ele é cirurgião

Para uma consulta clínica não há problema. Porém, caso a sua comorbidade necessite de cirurgia e você já tenha tido esse diagnóstico, já isso pode afunilar a sua busca.

O histórico de tratamentos 

Existem médicos tão bons em tratar alguns tipos de lesões que se tornam especialistas no assunto. Este histórico fornecido por outros pacientes ou indicação de parceiros da medicina é crucial na busca por um bom ortopedista. 

Acompanhando diversos pacientes em um tratamento específico, o profissional adquire experiência. Além do que ele pode comparar casos, profilaxias que funcionaram ou prever problemas durante a trajetória na busca da cura.

Escuta o paciente

Ouvir é crucial para um bom médico, já que eventualmente o problema é tratado mas ele retorna porque a causa não foi sanada. Às vezes o motivo de uma lesão surge em uma conversa prévia antes do exame físico. Ouvir o paciente e seus relatos é importantíssimo e um excelente ponto de partida na consulta.

É preciso consultar um ortopedista preventivamente?

Este é o tipo de médico que só precisa ser consultado em caso de dores ou lesões. Nosso sistema locomotor foi elaborado para funcionar bem de forma natura. Ou seja, a sincronia dos músculos e ossos no sistema locomotor é perfeita se tudo estiver OK.

Sem doenças (visíveis ou não) seu funcionamento será pleno em movimentar o corpo com os comandos cerebrais.  Em outras palavras, sem dor ou inchaço, o ortopedista não precisa ser consultado.